domingo, novembro 30, 2003

A DESCULPA

O "Bioterrorism Act" (ou Lei do Bioterrorismo), que entra em vigor a partir do próximo dia 12, foi elaborado pela Administração Bush na sequência dos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001 e, oficialmente, visa proteger os norte-americanos de eventuais ataques de natureza biológica, reforçando o controlo dos produtos alimentares provenientes do estrangeiro. Esta medida, contém uma série de novas exigências muito rigorosas, como a obrigação de o produto conter na embalagem informação pormenorizada sobre a sua origem e composição. Os exportadores estrangeiros deverão ainda ter um representante legal nos Estados Unidos e serão obrigados a elaborar um aviso prévio relativo ao embarque da mercadoria, com todas as características dos produtos que estão a exportar.
Em França, os viticultores dizem que, com a desculpa do terrorismo biológico, Washington está a criar uma barreira comercial que serve sobretudo para proteger os produtores norte-americanos. Alguns chegam mesmo a ver nesta lei uma represália, devido à posição de Paris na guerra do Iraque, o que é um exagero, uma vez que as novas regras se aplicam a todos os países estrangeiros e não apenas à França.
Em Portugal, ninguém se queixa. Bem sei que os produtos alimentares não chegam a representar sete por cento das exportações nacionais e que, desses sete por cento, a quase totalidade se destina ao mercado europeu. Contudo, no sector do vinho, e apesar de as exportações rondarem apenas os 14 por cento, os Estados Unidos são um dos três maiores destinos da nossa produção. Confesso que tenho alguma dificuldade em ver claramente quantas pessoas é que a Lei do Bioterrorismo vai prejudicar em Portugal. Mas será possível que não afecte nem uma só alminha? Ou escapou-me alguma coisa?

Stand-Up Tragedy

"Stand-Up Tragedy", em cena até 14 de Dezembro, no Teatro Maria Matos, Lisboa, é um espectáculo que nos faz reflectir sobre o riso. Tiago Rodrigues interpreta um humorista que, de repente, deixa de fazer rir e confronta a graça com a desgraça. Recomenda-se.

sábado, novembro 29, 2003

BEM VISTO

Hoje, numa feira de futebol, na FIL, o jornalista da RTP1 pergunta a um miúdo que pedia um autógrafo ao guarda-redes Moreira, do Benfica:
- És do Benfica?
- Era.
- Já não és?
- Não. Sou do Porto.
- Então porquê?
- Vi que estava a ganhar mais vezes.

quinta-feira, novembro 27, 2003

BOAS NOTÍCIAS

O bar Deslize, um dos mais antigos da cidade de Braga, vai reabrir amanhã à noite. O Deslize foi encerrado em Outubro, devido aos protestos dos moradores da zona em que se situa (junto à Sé), que se queixavam do barulho.

COMIDA GIGANTE

Em Viseu, andam a fazer uma broa gigante, que deverá atingir cerca de 400 metros de comprimento e entrar para o Guinness Book. Dado que há quem seja capaz de tudo para entrar para o Guinness e que, ao que parece, todas as iguarias são aceites, temo bem que esta onda não tenha fim. Desde a maior sande de couratos do Mundo até à maior sopa de nabos, dá para tudo. E enquanto andamos a brincar com comida, ficámos a saber que o número de esfomeados no planeta aumentou em 18 milhões desde a segunda metade da década de 90, para atingir os 842 milhões. Segundo dados da FAO, houve um revés na luta contra a fome e existe uma tendência para que o número de gente subnutrida aumente. Esperemos que não batam recordes.

quarta-feira, novembro 26, 2003

DEPRESSÕES

Sempre que o Presidente da República vem dar alento aos portugueses deprimidos, seja por causa das escutas telefónicas no âmbito do processo Casa Pia ou porque Lisboa não vai receber a Taça América, lembra-me que estas coisas deprimem os portugueses. E isso deprime-me.

terça-feira, novembro 25, 2003

ESPERO BEM TER UM MENINO

Apesar de um estudo divulgado no ano passado, segundo o qual ter filhos rapazes pode reduzir a esperança média de vida da mãe em cerca de 34 semanas, quando decidir ter uma criança, vou rezar para que seja menino. É que, diz o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), uma em cada três mulheres pode vir a ser violada, espancada ou sofrer qualquer outro tipo de abuso, ao longo da sua vida.
Hoje foi mais um Dia da Eliminação da Violência contra as Mulheres.

segunda-feira, novembro 24, 2003

NOTÍCIAS DE JORNALISTAS

Aqui está um artigo que vale a pena ler. É do Eduardo Cintra Torres, no Público.

A LISTA

Desta vez, é a Secretaria de Estado das Comunidades que joga pelo seguro, ao criar uma lista de 22 países que devemos evitar em viagem, por existir “risco de perpetração de novos atentados” ou “ameaça terrorista iminente” nesses territórios. Na sequência desta nova moda que consiste em impedir que o cidadão possa alegar que não foi avisado (caso sobreviva ao que se diz poder atingi-lo), o Governo antecipou-se mais uma vez. No entanto, desta lista constam destinos cujos perigos para os turistas levantam algumas dúvidas, e estão ausentes outros que me parecem bastante mais arriscados, como os Estados Unidos, Reino Unido ou Espanha. Por que será?

MENÇÃO HONROSA

Obrigada ao MATA-MOUROS pela distinção. Fiquei contente.

domingo, novembro 23, 2003

FESTA DO LIVRO

Quem ainda não visitou a Festa do Livro, no Pavilhão 3 da FIL, em Lisboa, pode ainda fazê-lo hoje, até à meia-noite, ou amanhã, das 18h às 24h. A entrada é gratuita e, como anunciam os cartazes e panfletos, há mesmo obras "ao preço da chuva". Infelizmente, a secção de livros estrangeiros é minúscula.

sexta-feira, novembro 21, 2003

TEMPORAIS E ATAQUES TERRORISTAS

Ultimamente, o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil mais os alertas para a possibilidade de chuvas e ventos fortes, no próximo fim-de-semana, fazem lembrar a Administração Bush e os avisos de probabilidade de atentados nos Estados Unidos, na semana seguinte. Embora deixe muito a desejar, a Protecção Civil consegue acertar mais do que o FBI. Mas isso é o que menos interessa. O que de facto importa, num caso como no outro, é que não se pode dizer que não se foi avisado.

ONE MORE CHANCE

Acho muito estranho que apenas duas crianças das que o Michael Jackson acolhe no seu rancho megalómano da Califórnia o tenham acusado de pedofilia. Sobretudo depois de, há nove anos, o cantor ter desembolsado alguns milhões de dólares com os familiares de um rapaz menor que dizia ter sido violado por ele, evitando assim que avançassem para os tribunais. Ou seja, Michael Jackson é um alvo apetecível. Está bem que o homem mete tanto medo que nem precisa de grandes ameaças para desencorajar criancinhas. Mas, por outro lado, será possível que uma ave rara daquelas seja mais doente ainda do que aparenta? Talvez. Mas desconfio sempre muito mais de pessoas ditas "normais".
Por outro lado, a polícia californiana emitiu o mandado de captura do cantor numa altura em que ele está a lançar o seu último álbum, "Number Ones", e todos sabemos que um bom escândalo funciona muitas vezes como a promoção ideal.
A propósito, a única novidade do álbum chama-se "One More Chance".

quarta-feira, novembro 19, 2003

AINDA A NOSSA IMAGEM LÁ FORA

A selecção nacional de sub-21 decidiu celebrar a vitória de ontem sobre a França, em Clermont-Ferrand, com a destruição do balneário. Isto foi por terem vencido a partida, o que garantiu o apuramento da equipa para o Europeu da categoria. Caso perdessem ou sentissem que tinham sido injustiçados, fariam o quê? Nem consigo imaginar...
Entretanto, vão reforçando assim a péssima imagem que os portugueses têm no estrangeiro. E logo eles, os jogadores de futebol, que, supostamente, são um dos principais motivos de orgulho dos nossos emigrantes.

CHUTE-SE PARA FORA

Apesar das recomendações da Provedoria de Justiça, que vão no sentido da criação de "salas de chuto" nas prisões, o Governo voltou a rejeitar a ideia da injecção assistida. Ao que parece, para combater a toxicodependência nas cadeias, o Executivo prefere apostar na prevenção, porque "prevenir é melhor do que tratar". Entretanto, que morram de sida e dos mais variados tipos de hepatite os que já não vão a tempo de usufruir da anunciada prevenção. Numa época de sobrelotação nas cadeias, não está mal visto, não senhor.

terça-feira, novembro 18, 2003

TRÊS-GÊ PARA QUÊ?

O Governo não quer mais adiamentos no UMTS, a terceira geração móvel (ou 3G), e anunciou que a implementação faseada deste sistema arranca já no início do próximo ano. Pergunto-me: Isto é importante para a minha vida? Quero mesmo pagar mais pelas chamadas telefónicas? Gastar umas boas centenas de euros num telemóvel novo para transferir ficheiros a 200 triliões de bytes por segundo enquanto me bronzeio na praia? Ver os meus amigos fazerem-me caretas enquanto conduzem e conversam comigo?
Nesta altura de crise é, no mínimo, ingénuo assumir que o UMTS faz falta ao País. Na ânsia de revitalizar a Economia, o Governo acena-nos com o perfeitamente dispensável. Quando apareceu o GSM, sempre havia mais dinheiro para gastar e o salto qualitativo foi notável.
Mas agora?... “Três-Gê” para quê?

segunda-feira, novembro 17, 2003

ACHO INDECENTE

A Maria João Ruela, da SIC, levou um tiro numa perna, voltou do Iraque prematuramente e foi promovida a heroína nacional. A Brigitte Bardota, do Público, safou-se da emboscada, já chegou a Nassíria, mas ninguém fala dela. Não é justo.

DIA MUNDIAL DO NÃO FUMADOR

Deixei de fumar há dois anos e meio. Antes disso, detestava este dia.

domingo, novembro 16, 2003

PARECE QUE ESTOU A VER

Ou muito me engano, ou vamos ter durante semanas aberturas de telejornais com os comprimidos que a Maria João Ruela anda a tomar para perna, a Maria João Ruela na fisioterapia, a Maria João Ruela a ir sozinha às compras, e por aí fora.

A NOSSA IMAGEM LÁ FORA

Numa altura em que tanto se fala da imagem de Portugal no estrangeiro, vale a pena ver a comédia romântica “Love Actually” (“O Amor Acontece”), com a Lúcia Moniz, sobretudo na parte em que o escritor inglês vai procurá-la a casa do pai. Eu, pelo menos, fiquei esclarecida.

sexta-feira, novembro 14, 2003

IRRESPONSABILIDADES

Um jornalista da TSF raptado e uma jornalista da SIC atingida a tiro numa perna, perto de Bassorá, é o resultado da falta de responsabilidade de quem decidiu que civis não devem viajar com militares, pelo que seria mais seguro os repórteres deslocarem-se de manhã, sozinhos, do que durante a noite, escoltados.
O Governo já lavou as mãos, em comunicado: "Os jornalistas foram alertados para o facto de, decidindo permanecer, não existirem condições por parte de Portugal, para a garantia da sua segurança nas deslocações em território iraquiano".
Ou seja, os jornalistas - que até aproveitaram a boleia para o Koweit, onde iam passar umas férias relaxantes, no mesmo avião que transportou o contingente militar da GNR - são uns inconscientes que gostam de se armar em... jornalistas.

quarta-feira, novembro 12, 2003

AVISAR PELO SEGURO

E pronto. Lá foram os nossos 128 soldados da GNR para o Iraque, no dia em que um atentado no hotel que ia albergá-los, em Nassíria, provocou a morte de pelo menos 25 pessoas, sobretudo italianos. Com palavras de confiança, os soldados tentaram tranquilizar as famílias chorosas e tranquilizar-se. Afirmaram que atentados destes são um cenário "previsto", nada anormal. Mas os familiares aproveitaram a presença das televisões para garantir que a decisão de aceitar esta missão foi tomada numa altura em que as circunstâncias eram completamente diferentes... Pensava-se que iriam quando a guerra já tivesse, de facto, acabado.
A Ana Gomes, do PS, concorda com os familiares e disse que o Governo não devia ter mandado aqueles homens para o Iraque. Afinal, nem sequer sabem para onde vão. Já se sabe que se tudo correr bem, não deixou de ser arriscado; se tudo correr mal, a oposição bem tinha avisado.

sábado, novembro 08, 2003

O PROBLEMA SÃO AS PESSOAS

A Câmara de Torres Vedras decidiu abater 40 cães – num total de 200 - todas as semanas, até solucionar o problema de sobrelotação do canil municipal. Muitas pessoas sentem-se indignadas, pelo que assinam petições na Internet, mandam emails aos amigos com apelos à adopção, participam em fóruns onde insultam tudo e todos. Com isto, sentem-se aliviadas. Sabem que fizeram alguma coisa. Sabem sobretudo que são melhores pessoas do que as que não se deram ao trabalho de subscrever abaixo-assinados ou tiveram mais que fazer do que reenviar emails.
Muitas destas pessoas têm cães de raça, pelos quais pagaram preços elevadíssimos, e que foram concebidos propositadamente para provocarem admiração nos amigos dos donos, graças às suas características físicas. Também não falta quem viva à custa deste negócio.
Entretanto, cães rafeiros e vadios reproduzem-se. Nascem cachorros feios que ninguém quer, que crescem e se tornam ainda mais feios e menos queridos. Se engraçados quando pequenos, há quem os leve para casa, para ver no que dão. Mas alguns dão em bichos demasiado grandes e/ou trabalhosos. Nessa altura, são abandonados, de preferência à beira das estradas mais movimentadas. Os que não são atropelados têm geralmente um de dois destinos possíveis: ou vivem miseravelmente, esfomeados e doentes, além de escorraçados dos mais diversos locais a pontapé; ou vão parar ao canil municipal, onde são tratados sabe Deus como. A quem os abandonou não acontece rigorosamente nada, já que as consequências de abandonar animais em Portugal são nulas. No país das soluções imediatas, prevenção é coisa que também não existe. Agora, resta-nos abater cães indiscriminadamente apenas porque comem e ocupam espaço. Ao menos, façamo-lo com regras, num processo transparente e minimamente digno.